domingo, 5 de outubro de 2008

E ASSIM NASCEU MOÇÂMEDES...


A BAÍA DE MAÇÂMEDES NAS ANTIGAS CARTAS E ROTEIROS

A Baía de Moçâmedes, mais conhecida entre os ingleses por Little Fish Bay (Pequena Baía dos Peixes), figurava nas antigas cartas e roteiros de navegação sob a designação de Angra do Negro. Está assim designado porque por ela, como por todas as Baías, angras e enseadas de Angola, se fazia larga exportação de escravos (A derrocada, 1913 - O Distrito de Moçâmedes, nas fases de origem e da primeira organização - 1485-1859, pág. 27, de Manuel J.M.Torres). AS PRIMEIRAS INVESTIGAÇÕES PARA O CONHECIMENTOS DO TERRITÓRIO DE MOÇÂMEDES

O desvairo do comércio de escravos impediu que durante três séculos, se procedesse a um reconhecimento proveitoso da costa e dos sertões ao sul de Benguela.

A primeira exploração regular só pode efectuar-se em 1785. Ordenou-a o Capitão-General de Angola, José de Almeida Vasconcelos Soveral e Carvalho, Barão de Moçâmedes. Organizaram-se, então, em Benguela, duas expedições, que deveriam seguir para a Angra do Negro, uma por mar e outra por terra. A direcção da primeira foi confiada ao tenente-coronel Luís Cândido Cordeiro Pinheiro Furtado e a segunda ao Sargento-mor Gregório José Mendes.


EXPEDIÇÃO DE PINHEIRO FURTADO - VIA MARÍTIMA

A expedição Marítima, com Pinheiro Furtado, embarcou na fragata Luanda, sob o comando do Capitão-tenente António José Valente. A fragata era ainda acompanhada duma outra chamada Paqueta real, e partiram de Luanda a 25 de Maio de 1785 e chegaram ao Novo Redondo a 7 de Junho do mesmo ano. Cinco dias depois, ou seja, dia 12 de Junho, os navios seguiram para Benguela onde fundearam no dia 22 de Junho. De Benguela, a fragata sob o comando do Capitão-Piloto Manuel José da Silveira, tendo saído para o sul, fundeou em Angra dos Negros em 3 de Agosto de 1785.


MUDANÇA DA DESIGNAÇÃO DE ANGRA EM PORTO DE MOÇÂMEDES

Pinheiro Furtado durante sua navegação para Angra dos Negros enfrentou ventos de Sudoeste, soprados pela proa e fortes correntes de feição contrária que os obrigou a navegar sempre á vista de terra, observando minuciosamente, palmo a palmo, toda a costa. Ao chegar ao destino (Angra dos Negros) e após fundear, Pinheiro Furtado exprimiu o desejo de prestar justa homenagem ao ilustre titular que ordenara a exploração tendo solicitado por escrito ao Capitão-General de Angola, nos seguintes termos: "Seja sua Excelência servido permitir que, nos mapas, o novo porto ele o denomine de Moçâmedes".


EXPEDIÇÃO DE GREGÓRIO MENDES - VIA TERRESTRE

A expedição terrestre, chefiada por Gregório Mendes, compunha-se de: Escolta de mil pessoas, sob seu comando; Vinte soldados, comandados pelo porta-bandeira Luís Cardoso; Miguel Pinheiro, Francisco Rodrigues (antigo tenente de artilharia) e do Piloto Manuel Pires da Cruz. Gregório Mendes e seus homens partiram de Benguela com rumo Sul-sueste, em 30 de Setembro de 1785. No primeiro dia chegaram a Quipupa. Em 1 de Outubro chegaram ao Dombe de Quizamaba atravessada pelo Rio Cupororo onde ficaram até dia 3 de outubro para se proverem de água, mantimentos e gados. Em 4 de outubro chegaram a libata Malicalunga, onde permaneceram a explorar a bacia do Cupororo até dia 6. Em 7 de Outubro chegaram ao Mocuio. E assim prosseguiram a marcha até que em 3 de novembro pelas 3 horas da tarde chegaram ao Porto de Moçâmedes onde assentaram campo. Depois prosseguiram marcha, até que em 7 de Novembro chegaram em bentiaba. Em 24 e 25 de Novembro chega em Dombe de Quinzamba onde fecha o círculo de sua digressão. Volta á Benguela, donde tinha partido, e onde chega a 29 de Dezembro de 1785.

Pinheiro Furtado e Gregório Mendes instaram, o governo geral, para que se erguesse um presídio na Baía, para que se mantesse eficazmente o domínio português e se intensificasse o tratado iniciado com os povos que aí habitavam. Mas o Barão de Moçâmedes, não obstante a entusiástica descrição de Gregório Mendes e a particular estima que votava a pinheiro Furtado, afora o patriótico desejo de fazer boa administração, não pode realizar tal empreendimento por haver deixado, pouco depois, o Governo da Província de Angola. No entanto, o esforço despendido pelos dois exploradores tivera resultado auspicioso, embora demorado, porque só em 1839 os portugueses continuaram a fazer expedições dos territórios Sul-angolanos. Antes, um explorador francês chamado João Baptista Douvallier em 1827 fizera uma viagem para Angola, tendo solicitado ao Ministro das Colónias o seu interesse em fundar em Moçâmedes um presídio para degregados. Esta solicitação do explorador francês evidenciou a urgência da ocupação por parte de Portugal dos territórios sul angolanos. Assim é que em 1839 recomeçaram as explorações com expedição de Pedro Alexandrino, por mar, e Francisco Garcia, por terra. Pedro Alexandrino saiu de Luanda a bordo da corveta Isabel Maria em 9 de Agosto de 1839, passou por Benguela e dia 23 de Setembro chegou a Cabo Negro. Em 4 de Novembro chegou á Baía de Moçâmedes, onde, como eles descreve em seus relatórios, "as espécies itiológicas são muito variadas e em muita quantidade. Determina a posição da Baía a 15º 10.0´ de latitude Sul, e 012º 5.0´ de longitude Este.

Francisco Garcia saiu no dia 17 de Agosto de 1839 de Benguela, tendo chegado á Baía de Moçâmedes em Setembro.


OCUPAÇÃO DE MOÇÂMEDES

1 - Ocupação Militar Feitos os estudos da costa e dos sertões, em 1840, o então Governador Geral da Província de Angola, Manuel Eleutério Malheiros, ordenou em Fevereiro de 1840 que se levantasse um forte na Baía de Moçâmedes, tendo se iniciado a ocupação militar de Moçâmedes. Em 1844 o forte foi construído.
2 - Ocupação Económica Da fundação do presídio e Estabelecimento de Moçâmedes e da celebração do pacto amistoso e mercantil entre autoridade portuguesa e os sobas derivou a criação, na Baía, de feitorias, casas de negócios que foram se instalando ao longo da praia entre 1840 e 1849.


CHEGADA DOS PRIMEIROS COLONOS A MOÇÂMEDES

A primeira feitoria foi montada por António Joaquim Guimarães Júnior, sendo considerado, o primeiro morador branco de Moçâmedes. No entanto os corajosos esforços dos primeiros moradores dos presídios e estabelecimentos de Moçâmedes, representavam tentativas persistente, mas isoladas, de poucos, e não podiam originar uma colonização em forma razoável, com razoáveis probabilidades de êxitos.

Foram os lastimosos acontecimentos de Pernambuco (Brasil), ocorridos em 26 e 27 de Junho, que determinaram a partida para Moçâmedes, em 1849 e 1850 de dois grupos de Portugueses, residentes naquela cidade, numerosos e seleccionados, que formaram as chamadas "Primeira e Segunda Colónias"

Assim, em 23 de Maio de 1849 partiu de Pernambuco (Brasil) a Barca Brasileira «Tentativa Feliz», capitaneada pelo Brigue de Guerra Nacional "Douro" com 166 colonos no total tendo chegado a Moçâmedes no dia 4 de Agosto de 1849,
sendo considerados os primeiros colonos e fundadores do distrito .


Sem comentários: