sexta-feira, 28 de Março de 2008

Angola - Moçâmedes, minha terra, eu te vi crescer... (Raul Ferreira Trindade)



Moçâmedes em finais do século XIX

 

 Moçâmedes na década de 1960




Angola - Moçâmedes, minha terra, eu te vi crescer...

4 de Agosto 1848 - 4 de Agosto 1991

A historia de uma nação ou de um povo conta-se escrevendo-se seus feitos epopeicos, ou pela voz do povo, directamente, passando de gerações a gerações, de pais para filhos e netos.

Não pretendo ser historiador, mesmo porque não possuo capacidade intelectual para tanto. Se recordar é viver, pretendo, sim, modestamente, como voz do povo, recordar saudosamente com este meu simples escrito como e porque deixei a minha terra - Moçâmedes, hoje com mais um aniversário e que por isso a homenageio.

Nasci em Moçâmedes, nela vivi toda a minha vida até ao agitado ano de 1974, quando de lá tive de sair. Meus pais, no ano de 1898, vindos de Lisboa, para lá foram voluntariamente à procura duma nova vida, ele deixando Portugal, o seu posto de oficial do exército, a sua familia materna e paterna e os muitos amigos que tinha nos seus companheiros de curso da Escola Politécnica e no Colégio Militar.

Escolheram para sua fixação o litoral mais ao sul de Angola - Moçâmedes -. Levaram consigo a firme vontade de conhecerem novas terras, novos mundos, para iniciarem uma outra vida de trabalho que embora soubessem muito difícil , a sua fé lhes trazia a esperança de que seriam protegidos por aquela «estrela» que o destino lhes colocara na frente do caminho que percorreram sobre o Atlântico que divide e distancia os dois continentes.

E chegaram. Chegaram à terra onde eu e os meus irmãos havíamos de mais tarde nascer. Chegaram como sessenta anos antes o haviam feito, mas em condições bem mais difíceis então, aqueles portugueses que formaram a 1ª colónia.

Reportando-me àqueles valorosos portugueses da 1ª colónia, diria que, quando em 4 de Agosto de 1849 a Moçâmedes chegaram, vindos de Pernambuco, fugidos da perseguição que a política os ameaçava na altura naquelas terras brasileiras, viram então o primeiro contraste da beleza africana; dum lado as praias limpas e o mar espumoso e frenético de onde desembarcaram, de outro o deserto calmo e sem fim, que, começando nos quentes areais do Namibe se estendiam pelo incomensurável Calahari. - NAMIBE onde a Welwitschia Mirabilis, planta exótica, testemunhava a sua existência como um símbolo de natureza única no mundo.

A Welwitschia Mirabilis, planta estranha, surgiu-lhes então como único habitante solitário do deserto do Namibe. Os indígenas deram-lhe o nome de Tomboa. Planta com uma existência mais duradoura que a vida humana, algumas delas multiseculares, atingem grandes proporções com as suas folhas coreáceas que se espreguiçam sobre as areias quentes do deserto e chegam a atingir três metros de comprimento. . Água, é coisa que o deserto não lhe dá. Resiste à inclemência triturante dos raios solares do deserto.

Não encontraram aqueles primeiros portugueses nada de civilização no litoral moçamedense. O gentio estava longe, à época, nas pedras e rochedos da costa, nas «chunas» do sertão ou em terras altas do planalto, vivendo na sua condição de povo bárbaro, em pequenos núcleos, protegido e conservado pela própria natureza. A sua existência - Mucuisses, Croques, Muximbas - dava-os como vindos outrora de ciclos migratórios da Asia para o continente africano, talvez descendentes dos «bantus».

Vida dura, difícil, angustiante, pois, vieram esses bravos portugueses encontrar nas praias da minha terra: o mar imenso, o reluzir brilhante das enganadoras «miragens» do deserto, o sol escaldante, a escuridão da noite negra africana, davam-lhes o verdadeiro cenário da terra onde se fixavam, onde teriam que trabalhar.

Ficaram. E construindo suas palhotas para se poderem abrigar ou nos morros fazendo seus minúsculos quartos improvisados, de que ainda hoje vestígios se encontram; cavando na terra, aqui e acolá, a água doce de que careciam, do mar tirando o peixe e da caça procurando a carne, deitaram semente à terra. Lenta mas progressivamente viram nascer assim a esperança dum dia melhor no futuro.

Com o seu espírito aventureiro, destemido, próprio da raça Lusitana, mais portugueses vieram seguidamente, homens, mulheres e crianças, por barcos demandados, na sua maioria, dos lugares do Algarve para o Sul de Angola, viajando também sob a mesma «estrela» milagrosa do seu destino rumo àquelas terras onde em 1486 Diogo Cão havia colocado o Padrão simbolizando a sua descoberta e presença ali, nos seus descobrimentos marítimos.

Embrenhando-se audaciosamente nos rochedos da costa, nas margens do Curoca, do Giraúl, do Cunene, das «chunas» do sertão, no planalto, lugares à época distantes, encontraram o gentio, nómado e pastoril, selvagem de linguagem esquisita e incompreensível no seu todo; criaram a confiança necessária para se entenderem como seres humanos, embora com todas as dificuldades dialécticas, e iniciaram assim a permuta dos géneros e artigos de que tanto careciam para o seu viver. Desse entendimento natural e necessário, que o tempo e confiança mútua faziam progredir, o gentio aproximou-se do litoral moçamedense e começou a aceitar os primeiros contactos validos com a civilização trazida pelos portugueses.

Pouco tempo depois da sua chegada ao sul de Angola, a Moçâmedes, esses portugueses dedicaram-se à industria da pesca de que, mesmo na sua fase embriatória, começaram a receber vantagens relativamente compensadoras.

Em 1853, embora rudimentares e poucas, possuiam já instalações de pesca, e em 1859 tinham em funcionamento 22 pescarias espalhadas pelas praias de Moçâmedes, doze baleeiras e 42 escaleres. Laboravam o pescado escalando-o; nos seus quintais expunham o peixe ao sol para secá-lo, e recolhiam-no depois de seco em improvisados armazéns.

Curioso é notar, que já naquele ano, além de se dedicarem à preparação do pescado, fabricavam também azeite em boa qualidade, extraido de fígado de cação.
Segundo elementos extraídos no ano de q859 venderam eles 10 323 «motetes» de peixe seco pelo valor de 5oo réis cada, rendendo 5.160,00. Mas no ano anterior haviam já exportado e vendido 21.500 «motetes» no montante de 10,750 réis.

Foi assim, pois, que começou na minha terra -Moçâmedes- o interesse pela industria piscatória, graças a um mar tão rico de todas as espécies piscicolas necessárias a uma industria que, pelo seu desenvolvimento, mais tarde havia de ser das mais importantes de toda a Angola e de todo o continente africano.

Cento e vinte e três anos depois da chegada a Moçâmedes dos primeiros portuguesas que alí se fixaram, o progresso e desenvolvimento daquele território sul, no ano de 1974, era de facto muito importante. Moçâmedes, Porto Alexandre, Baía dos Tigres e Luciras puderam bem confirmar o seu grande peso na balança económica de Angola, pois possuiam então, em plena laboração, dezenas de modernas e importantes fábricas mecânicas de farinhas e óleos de peixe e de conservas de peixe espalhadas por todo o distrito. Os seus proprietários e industriais, desdendentes, em parte, daqueles valorosos pioneiros de 1849, e seguintes, colocaram esta indúatria, pelo seu esforço e trabalho constantes, a par das mais modernas unidades fabeis do mundo.

Mas, antes da chegada a Moçâmedes da 1ª Colónia de Portugueses, em 1849, já Luanda havia sido fundada por Paulo Dias de Novais, em 1576, e Benguela por Manuel Cerveira Pereira, em 1603. Portanto, Luanda, em 1974, teria 398 anos e Benguela 371 anos de fundação, já com industrias e comércio importantes. A falta de navegação dificultou durante longo tempo o intercâmbio entre o litoral Sul de Angola, especialmente com Luanda. Só em 1858, a 14 de Novembro, chegava a Moçâmedes o primeiro navio a vapor, pertença da Companhia União Mercantil, de Lisboa.

Assim, em 1974, Angola mercê das suas grandes e importantes industrias, de um comércio sólido, do intercâmbio com o exterior na exportação e importação de sem número de produtos e artigos, estava no auge do progresso. A sua vasta superfície de 1. 246.700 kms. quadrados compreendia em si vários distritos e concelhos integrados administrativamente no Uige, Quanza Norte, Malange, Benguela, Quanza Sul, Huambo, Bié, Moxico, Quando Cubango, Huila, Moçâmedes, Cunene, Cabinda, com a capital em Luanda. Com a parte literol mais insalubre e no interior com terras altas possuindo regiões saudáveis e territórios muito férteis; grandes rios como o Zaire, Cunene, Quanza, e outros, fauna abundante de espécies cinegéticas e flora muito rica, Angola era como uma dádiva que a natureza premiara seus filhos e habitantes que a quizessem trabalhar e desenvolver. O café, algodão, borracha, cacau, arroz, tabaco, sisal, milho, centeio, madeiras, sal, e tantos outros o solo dava; o diamante, o ouro, cobre, ferro, mármores, petróleo e outros minérios o sub-solo dava; o peixe e seus derivados, o gado bovino, , ovino, caprino e suíno, e tudo isto am abundância havia que o mae e a terra pródiga dava aos seus habitantes o previlégio de explorar. como se explorava já em grandes proporções e dimensão industrial. Sempre as chuvas foram pródigas e regulares em quase todo o território, à excepção da parte desértica do sul.

Um dos exemplos, também flagrante, do desenvolvimento de Angola, foi a acção dos serviços de Veterinária e de Agricultura, de que os indigenas muito beneficiaram e aprenderam ao longo dos anos. ~~Com vista ao fomento pecuário, os Serviços de Veterinária de Angola, através de técnicos competentes, colocados de norte a sul da Província, tiveram junto das populações rurais uma grande influância no desenvolvimento e saneamento da sua criação bovina, ovina, caprina e suina. Embrenhando-se esses técnicos nas matas isoladas, principalmente dos planaltos mais beneficiados pelas chuvas, o indigena começou, assim, a sentir o efeito desse benefício para as suas manadas de gado, em que antes as doenças grassantes das regiões dizimavam centenas e centenas de animais, anualmente.

A criação de grandes estações zootécnicas, de postos de reprodução e vacinação e tanques insecticidas em regiões onde predominava a riqueza pecuária, foi um plano de fomento que em muito contribuiu para desenvolver as espécies bovina, ovina, caprina e suina. Esses estabelecimentos principais existiam na Humpata com a Estação Zootécnica da Sul , o mais importante no Cáfu (Cuanhama), na Ganda e em Quilengues, independentemente de outros designados por Postos. Aos indígenas eram periodicamente distribuidos reprodutores de elite ,com a finalidade de carne ou leite.

A esses Postos e Tanques os indígenas levavam as suas manadas de gado para cobrição e desparasitação beneficiando de serviços gratuitos. Brigadas de técnicos realizavam campanhas de vacinação contra as doenças que mais grassavam nas regiões, sempre a título gracioso para as camadas rurais. e havia já criadores indígenas, principalmente nas regiões do Cuanhama e Quilengues, no distrito da Huila, com bons efectivos de gado seu. No Cuanhama, um desses detentores de gado, quando morreu, deixou à família cerca de 1 500 bovinos, 1500 caprinos e duas ou três dezenas de cavalos e suinos, segundo me foi declarado. na região, quando por lá passei. Procurando estimular o trabalhador indígena rural, no desenvolvimento da sua pecuária, o governo nunca incidiu impostos sobre os seus rendimentos. Sim, porque eles também vendiam ao negociante branco, anualmente, centenas de cabeças de seus efectivos.

Mesmo no deserto de Moçâmedes, como exemplo do espírito de iniciativa dos portugueses, região onde, pela sua natureza, não chovia e não havia praticamente vegetação, mas sim um sol abrazador, os Serviços de Veterinária anuiram à constante insistência de um seu técnico veterinário, muito conhecido e competente em Angola, o qual contra todos os revezes que inicialmente lhe surgiram, como eu próprio o sei, conseguiu vencê-los, levou àvante o programa de fomento que projectara e criou, assim nesse deserto, digamos, o Posto Experimental do Karacul, ou seja a exploração e desenvolvimento da raça ovina Karakul, muito rica na sua pele, procurada e aplicada na confecção dos famosos casacos. Desse êxito resultou que outros criadores de gado da região ao longo da linha férre Moçâmedes-Sá da Bandeira se dedicassem também, e simultaneamente na exploração do Karakul, sob a orientação técnica do referido veterinário que assim trouxe às terras de Moçâmedse, uma riqueza mais e que muito valorizou o Sul de Angola, na sua pecuária,

Importante também, foi a cção dos Caminhos de Ferro de Luanda a Malange, de Benguela a Nova Lisboa, de Moçâmedes ao Cuando Cubango, as chamadas terras do fim do mundo. Mais uma obra dos portugueses em Angola que assim penetraram pelo seu interior em centenas e centenas de linha férrea, coom isso levando às populações rurais, conjuntamente com uma extensa, larga e moderna rede re boas estradas asfaltadas, todos os produtos e artigos de que os seus habitantes careciam, e dando escoamento às suas colheitas do milho, sisal, algodão, etc.

Angola estava pois, em 1974, patente ao mundo, e esse mundo bem o sabia, como uma futura nação, com o seu potente manancial de riqueza e progresso. Era já o orgulho de todos os angolanos e não angolanos mas radicados há muito. A beleza das suas acolhedoras cidades nascidas do nada há centenas de anos e feitas com indomável força de vontade, coragem, amor, suor e lágrimas por aqueles homens, mulheres e crianças de então e com igual esforço do exemplo seguido pelos seus filhos, netos e bisnetos, toda ela deu a confirmação a esse mundo do que os portugueses foram e são capazes de realizar para bem desse mesmo mundo : a civilização.

Foram eles que à minha terra cgeharam um dia, nada viram senão terras desérticas, um sol escaldante e noites escuras de negro africano; se fixaram, trabalharam e venceram do nada fazendo tudo quanto foram deixando ao longo de anos e de séculos; que atrairam o gentio à verdadeira civilização, que o despertaram para um mundo diferente e melhor - o que a sua maioria aceitou e aproveitou totalmente, atraidos de satisfação, mas que a outra parte não aceitou e quiz manter-se como até hoje, naturalmente, no seu primitivismo habitat, ainda com usos e costumes ancestrais em alguns pontos mais isolados do território.

Um dia porém, volvidos séculos entre povos considerados como irmãos, com sangue branco misturado com o do negro , e uma percentagem já de descendentes mestiços; nesse dia em que sem racismo da parte branca -que nunca o teve- , em que dessa união deveria resultar o reconhecimento, a gratidão, uma maior apeoximação, defesa mútua e firme vontade de só os angolanos e portugueses continuarem em Angola, sem distinção de cor, para desenvolvê-la ainda mais - surge uma independência imposta a Portugal por três movimentos de guerrilha. Tudo certo, digo eu, se dessa independência se fizesse como se esperava, uma união sólida entre todos os filhos de Angola, negros, brancos e mestiços, e também dos já radicados há muitos anos, para assim se governar com justiça e respeito os destinos da terra que mais tarde poderia vir a ser das principais nações do vasto continente africano.

Mas, a ambição do homem, pior ainda, a influência estrangeira, cobiçando
há muito as terras da minha terra, conseguiu infiltrar-se no nosso meio, na nossa casa, conseguiu que dela saissem, como sairam, quase todos os portugueses que sempre viveram em comum com o povo negro desde séculos passados.

Considerei sempre essa independência embora necessária, sem dúvida - porque nós mesmos que deixámos Angola, seus filhos, por ela clamamos longo tempo antes -, como que a uma criança que nasce e que os pais querem que poucoos meses depois começe a andar pelos seus próprios pés, sem qualquer amparo. Claro, que depois a criança cai tantas vezes quanto a indiferença dos pais, aleija-se, perde a percepção das coisas mais próximas, estraga tudo o que é seu, e, pior ainda, o que mais pertence aos seus muitos irmãos...

Mas, porque se deixou fazer assim!?...

Concordo plenamente com a independência de Angola. Evidentemente, não se podia estar dependente dos «caprichos» do «Terreiro do Paço». Mas, assim, como foi feita tão precipitadamente, não. Com cabeça, tronco e membros, muito vbem, dando à criança recém-nascida a possibilidade de poder vir a andar sem «moletas», por seus próprios pés, à vontade, com liberdade, dois ou ês anos depois de nascida, com seus pais a orientá-la nesse percurso transitório. Cabe, pois, a esses «pais» toda a reponsabilidade do que inconscientemente fizeram com o abandono a que levou a sua ignorância.

O mal feiton e consentido não recaiu, afinal só sobre nós que deixamos Angola, e que paea Angola sempre quizemos uma independência. Recaiu sim, muito principalmente, sobre nós, numa agtação que nunca esperaram, numa situação que não merecem, porque a terra a terra tão rica e grande, já feita e desenvolvida que era, é deles, daquela verdadeira maioria. É desses milhões que poderiam constituir uma sociedade única, governá-la numa democracia plena, sem dependência de terceiros.

...Sai da minha terra, saudosa Moçâmedes em 1974, naquele periodo agitado que ela atravessou. Deixeia-a, confesso, com as lágrimas nos olhos. Ainda hoje as deito quando me recordo do meu passado, da minha terra natal e das suas gentes. Gentes que eu não distinguia da côr nem da religião, pois a prova mais flagrante disso, está no facto de entre tantos amigos meus, salientar sempre como principais familias, familias negras e mestiças que conheci e sempre convivi em franca comunhão de mesa, trabalho, amizade e respeito.

... Sai da minha terra, saudosa Moçâmedes, deixei Angola. Mas, antes já sentia saudades de tudo aquilo por que de saudades também se morre... E muito embora a agitação revolucionária reinasse em muitas cidades angolanas, eu me venturei, mesmo assim, antes de deixar aquela África, aventurei-me a visitar, mais uma vez, eu e aminha mulher, os seus principais centros populacionais. E fomos.

Deixando Moçâmedes, onde nascemos e vivemos entre o Atlântico e o Namibe tão grande de areias e de uma natureza que só «nós» a sentiamos mais e maravilhosamente quando conhecemos o Iona e o seu mundo de pedra e morros escuros, num labirinto enigmático. Passamos por Sá da Bandeira (Lubango), tão alta com a sua Senhora do Monte bafejando milagrosamente a terra de natureza próspera!... Que cidade tão linda e boa que seus filhos fizeram!... Andando num planalto imenso no meu Datsun velhinho mas afinado, sobre moderna estrada asfaltada, chegamos aNova Lisboa (Huambo), a talvez mais jovem das tantas cidades de Angola, centro de convergência comercial e turístico, tão grande e desenvolvida que a citavam como a futura capital!... E, sempre caminhando por moderna estrada asfaltada, passamos pela Cela, com as suas terras férteis, verdejantes, arrumadas. Desviando-nos, fomos até Novo Redondo e Gabela com as suas inesquecíveis cachoeiras. Surge-nos depois o Lobito com o mar a bafejá-la de um lado e de outro, porto que atraia diariamente a navegação e nacional e estrangeira , linda que era no seu todo, como um Presépio de Natal!...E a sua Benguela, ao lado, de tradições centenárias, de gente hospitaleira e boa, aliás, como em quase toda a Angola!...
Não pudemos vositar o Cuando Cubango, as terras do fim do mundo, onde eu anos antes havia estado de visita e trabalho.

O Moxico, a Lunda e Malange dos diamantes, e outras tantas, tão longe estávamos e o cansaço nos chegava. Seguimos, sim, rumo a Luanda, como terminou a nossa viagem de saudade, num adeus de despedida de Angola, num triste adeus para sempre... Luanda, grande capital, moderna e muito desenvolvida. Fora fundada por Paulo Dias de Novais, em 1576. Tomada por holandeses em 1861, voltou à posse dos portugueses em 1868 pelo comando de Salvador Correia de Sá e Benevides, que combateu os holandeses, expulsou-os e ocupou a cidade. Luanda, antiga e chais de contrastes, com os seus misteriosos musseques e rivalidades, labirintos de entradas fáceis como saídas difíceis - quem melhor que antanhos e seus filhos poderia edificar aquela cidade enorme?!...

Estas saudades que todos «nós» sentimos de Angola e da minha terra, são fruto de uma consciência limpa e honesta, nascida daquelas terras e das suas gentes, sem distinção de língua, credo ou côr. Estou crente de que hoje os que lá ficaram sentem de nós que viemos, o bem que deles sentimos ao recordá-los, naturalmente, sem excepções.

DEixei Luanda e a Minha terra para as terras de onde meus pais um dia sairam rumo ao Continente Africano, a Moçâmedes. E, curioso, foi sobre as mesmas águas do Atlântico que eu naveguei 76 anos depois deles o terem feito em 1898 tão corajosamente. Como eles, nada trouxe comigo senão a saudade da terra onde nasci. Tudo, embora não muito, lá deixei, porque a ambição dos homens, o seu egoísmo, a falta de consciência, a ingratidão, a falta de respeito, de civismo, de humanidade imperava naquela euforia desnorteada de 1974.

...Deixei Angola, deixei a minha terra, e apesar das saudades tantas que sinto de tudo aquilo, decorridos já doze anos, com a vida um pouco refeita e dada a condição política em que agora lá se vive, confesso sentir-me hoje melhor em Portugal, porque a democracia reina aqui, para todos, sem excepção.

Nova Oeiras, 4 de Agosto de 1991
Raul Ferreira Trindade

Sem comentários: